quarta-feira, 30 de junho de 2010

Mais que mil palavras


Para uma mulher trabalhar no Doctor’s Hospital como enfermeira, em Nova York, em época de guerra, era mais comum do que se pode imaginar. Edith, como todos, ansiavam pelo fim da Segunda Guerra. Eis que no dia 14 de agosto de 1945, as rádios norte-americanas divulgam em primeira mão a vitória do Tio Sam sobre os japoneses.
Edith ficou eufórica com a notícia. Assim que acabou seu turno, sem mesmo pensar, saiu correndo, pegou o metrô e foi festejar na Times Squaer. Ela ficou maravilhada com o que viu, as pessoas pulando, gritando, cantando... Todas tão felizes por suas próprias razões.
Ela se sobressaltou quando, num piscar de olhos, sentiu sua cintura sendo tomada, seu corpo inclinado e um beijo roubado. Naquele momento, naqueles poucos segundos, ela sentiu não amor, mas o começo de um novo mundo, uma nova vida.
Sem mesmo olhar para trás, Edith seguiu o seu caminho, deixando o enamorado para trás, não esperando por fidelidade ou que aquele fosse o começo de um grande amor. Ela apenas seguiu e deixou o marinheiro seguir.

Pósfacio
Edith estava a caminho do hospital quando parou em uma banca para comprar o jornal do dia, quando trocou a sua habitual leitura pela revista Life. Na capa estava uma enfermeira em seu fatídico vestido branco entre os braços de um marinheiro que lhe arrancava o mais romântico dos beijos.
Riu secretamente. Quantas enfermeiras e marinheiros não estavam naquela rua, pensou. Mas uma pontada de curiosidade lhe invadiu: “quem seria o misterioso cavalheiro?”.
Talvez a história não fosse tão perfeita, se o soubesse.
Homenagem póstuma     
Edith Shain - 1919 à 2010

P.s.: A história é totalmente verídica, talvez com um pouco de floreios, mas basicamente foi isso que aconteceu naquele dia. Edith Shain na época ficou com bastante vergonha pela foto, apesar que ela não foi a única a ser beijada, abraçada ou qualquer coisa do tipo no VJ Day. Então, até 1980 ela não revelou a sua identidade. Ela também não tinha noção da proporção que aquela foto iria chegar; que iria entrar para história. Já o marinheiro, ainda há incerteza, já que muitos afirmaram ser o homem misterioso. 

Mais informações: VJ Day in TimesSquare e A kiss for the age [entrevista]

7 comentários:

Letícia :) disse...

Que conhecidência! Assisti ontem "Cartas para Julieta" e no filme tem uma cena que essa foto é citada! Na cena, a personagem principal procura o homem que vem caminhando atrás do casal, pra saber como tudo ocorreu no momento. Ela até encontra, só não sei se no filme é de fato ele mesmo!
A foto é bem marcante!

;*
Letícia.
audreymeabana.blogspot.com

Sophia disse...

Que história linda!!!! Eu nao conhecia e amei muito. To me sentindo apaixonada!!! rsrs
Ahh e deu mais vontade de assistir o filme "Cartas para Julieta" Leticia... Valeu a dica!!!!

J Sotiropoulos disse...

oi :D coloquei seu banner no meu blog ! comecei agora e quero parcerias :D
entre em contato kk
http://blogpensamentolonge.blogspot.com/

obg :*

Isa disse...

Dani,

Adoro cinema essa cena e clássica tira o folêgo de qualquer mulher ..

Bjokas.

www.garotaantenada.wordpress.com

Eliana Martins disse...

Nossa, adorei *-*
Nunca tinha ouvido falr dessa foto antes.. Amei a história *-*
Também me deu vontade ver o filme "Cartas para Julieta"
Depois vou prcurar :D

Eliana Martins disse...

Eu fiz uma postagem baseada nessa: http://elianamartinsgomes.blogspot.com/ quando puder dá uma olhada :D

Mari disse...

A exposição de Ziraldo no CCBB me deixou impressionada por uma caricatura ou desenho, como achar melhor:http://www.orkut.com.br/Main#AlbumZoom?uid=11513280799595686438&pid=1283385162648&aid=1281965688$pid=1283385162648

O nosso cartunista "caraquiturou" a história contada acima.
Simplesmente perfeito *.*